jornalismo e
audiovisual

Atuante na imprensa desde dezembro de 1981, o jornalista Sérgio Rizzo é hoje crítico de cinema do jornal "O Globo" e colaborador de outras publicações, como o jornal "Folha de S. Paulo".


É produtor associado da produtora de audiovisual Parece Cinema, diretor do documentário de curta-metragem "Passo" (2018), prêmio de melhor montagem no Fest-Aruanda de 2018, em João Pessoa (PB), e do segmento brasileiro do longa-metragem colaborativo "A Living Tree, Means a Living Planet" (2019).

 

Crítico e curador de cinema, Rizzo integra o comitê de seleção do É Tudo Verdade - Festival Internacional de Documentários.


Autor de "Cinema e Educação - 200 Filmes sobre a Escola e a Vida" (Segmento), "Família e Educação - Quatro Olhares" (Papirus) e "Vitória - Ayrton Senna" (Melhoramentos), além de colaborador em coletâneas -- como "Cinema e Psicanálise" (nVersos), "Os Filmes que Sonhamos" (Lume), "Futebol, Comunicação e Cultura" (Unesp/Intercom), "Coleção Folha Clássicos do Cinema" (Moderna/Folha de S. Paulo), "100 Melhores Filmes Brasileiros", "Documentário Brasileiro - 100 Filmes Essenciais", "Animação Brasileira - 100 Filmes Essenciais" e "Curta Brasileiro - 100 Filmes Essenciais" (os quatro pela Letramento/Abraccine/Canal Brasil) -- e em catálogos de mostras e retrospectivas dedicadas a Ingmar Bergman, Woody Allen, Stanley Kubrick, Quentin Tarantino, Luchino Visconti e irmãos Dardenne.

educação

Professor universitário desde 1991, Sérgio Rizzo é mestre em Artes/Cinema, com uma dissertação sobre a obra de Woody Allen, e doutor em Meios e Processos Audiovisuais, com uma tese sobre a formação de professores para a educação audiovisual, pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.


É professor da Academia Internacional de Cinema (AIC), das áreas de graduação e pós-graduação da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e do Colégio Augusto Laranja.

 

Dá aulas em cursos livres sobre a história e a linguagem do cinema no Espaço Itaú de Cinema, na Casa do Saber, na Livraria Cultura, em unidades do Sesc e em outros espaços culturais.

 

Nos últimos anos, ministrou palestras em diversas cidades brasileiras e também nos EUA (Harvard University), na França (Sorbonne) e em Portugal (Instituto Politécnico do Porto, Universidade de Coimbra, Festival Filmes do Homem), e participou da Bergman Week (realizada pelo Bergmancenter, na Suécia).

 

Como professor e coordenador de cursos de Comunicação Social (Jornalismo, Rádio e TV), trabalhou na Universidade Metodista de São Paulo, na Faculdade Cásper Líbero, na Universidade de Mogi das Cruzes e na Universidade Presbiteriana Mackenzie.